A balança comercial brasileira encerrou o primeiro semestre de 2020 com superávit de US$ 23 bilhões. Embora siga em patamar positivo, o saldo é 10,3% mais fraco do que o registrado nos primeiros seis meses de 2019.
Na comparação com o ano passado, as exportações brasileiras caíram 6,4%. Também houve queda nas importações, de 5,2%.
Desde o início da pandemia do novo coronavírus, o ministro Paulo Guedes (Economia) aposta na balança comercial como fator que pode amortecer a retração do PIB (Produto Interno Bruto) neste ano.
A avaliação do ministro é que a exportação de alimentos, ponto forte do Brasil, seguirá em alta neste ano.

Entre janeiro e junho, as exportações do setor agropecuário somaram US$ 26,2 bilhões, uma elevação de 23,8% na comparação com período equivalente do ano passado.
O movimento de expansão não foi observado em outras áreas. A indústria de transformação recuou 15,1% no período. No caso da indústria extrativa, que inclui minérios e petróleo, a retração nas vendas ao exterior foi de 9,6%.